sábado, 8 de março de 2014

Kabul, capital do Afeganistão, se situa em um vale entre montanhas muito altas. Estas no seu entorno, sempre nevadas, são o começo do Hindukush, que por sua vez é uma parte dos Himalaias. Quando o avião se prepara para iniciar a descida, ainda sobrevoando as montanhas altíssimas, pontiagudas e brancas, uma ansiedade brota. A proximidade dos cumes é grande e um universo assustador se impõe. Melhor é não olhar para baixo mas a minha natural curiosidade ultrapassa os limites do meu medo e olho. Olho e fico extasiada com aquela paisagem. Me sinto pequenina e limitada. Penso em que tipo de vida transita por aquelas paragens assustadoras sob o ângulo da minha visão. Devagar as montanhas vão passando... vou passando por elas. De repente o vale do rio Kabul e a cidade..., outrora, grande e importante centro cultural, hoje..., calcinada por guerras sucessivas e heroicamente sendo reconstruída. Vistas de cima, as casas se misturam com a cor do solo. A maioria delas, construídas com o barro do lugar, têm a mesma cor da terra. É bonito ver Kabul do alto mas estou ansiosa para andar em suas ruas, conhecer o seu povo e sentir a atmosfera da cidade, que esteve em tantas manchetes, como alvo, na caça mal sucedida a Osama Bin Laden. Ali naquele lugar, os afegãos protegeram, em algum momento, o seu hóspede. Para os afegãos os hóspedes são protegidos até com a própria vida. Com isto não contavam ou disto não sabiam. Mas o concreto é que muitos alvos equivocados foram atingidos. Hospitais, escolas e habitações de civis e muitas pessoas morreram.

Kôbul...
Num dia, já há muito passado, você entrou na minha casa,
por uma carta... Kôbul tinha o povo
mais digno jamais visto.
Assim você entrou na minha casa.
A minha geografia não fora tão longe para trazer você a mim.
Foi a carta.
Imaginei...Kabul...o povo mais digno...Afeganistão.
Tão distante.
Pensei em você mesmo sem lhe conhecer.
Eu nem mesmo sabia direito onde lhe encontrar.
Agora Kôbul...aqui estou
na sua pulsação, no seu coração.
A primeira neve ... O primeiro grande frio.
Da janela vejo um pouco das suas casas, da sua gente...a mais digna.
Eu não sabia como caminhar por suas ruas...tinha medo
de não ser o que você queria de mim.
Envolvi meu corpo com muitos panos...como afghani.  
Tinha frio...Coloquei o tchadór.
Aqueci-me e me encorajei e saí..., tímida.
Não importa.
Decidida.
Queria ver seu rosto perto do meu.
Tive medos.
Meu corpo tropical esfriou.
Mas agora, aquecida e devagar percebo seu sentimento.
Vejo pipas coloridas no céu.
Ouço o muezim chamar para oração
nas suas manhãs e tardes,
do alto dos minaretes das mesquitas envelhecidas.
Apalpo seus muros furados por balaços de canhões.
Tateio seus botões de rosa aguardando o calor,
para florescer.
Acaricio seus animais da rua, suas crianças,
com os olhos.
Sua gente, seus pássaros, suas montanhas, sua neblina,
sua neve, seu sol, sua  destruição e seu renascimento,
com os olhos...
Kôbul...Salâm aleikum...


Kabul/março/2005

12 comentários:

  1. Parabéns, Mãe Maria, gosto muito dos seus escritos. Fico feliz de você compartilhar isso com todo mundo.
    Grande abraço!
    Saudades Mãe!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico imensamente feliz por vc ter gostado! Devagar vou abrindo o baú e postando e é um grande prazer saber que vc lê os meus escritinhos.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Gratissima por ter lido querida Elza. Vou postando e será um prazer imenso saber que vc lê.

      Excluir
  3. Aladas palavras!! Obrigado por compartilhar conosco um pouquinho de você, Maria... nós a amamos, sábia e acolhedora amiga.

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito!
    Obrigada por compartilhar!

    ResponderExcluir
  5. Querida amiga Maria dos índios, Maria de todos os povos... Obrigado por este texto tão lindo., você surpreende sempre!


    ResponderExcluir
  6. Itagiba, amigo que não vejo há muito tempo!Fico feliz por vc ter lido e lhe agradeço o carinho nas palavras.

    ResponderExcluir